Mobile Commerce e a Adaptação do Varejo

Mobile commerce é a tendência do varejo prioritária para as marcas

O crescimento dos smartphones e da navegação mobile apresentam números impressionantes no Brasil. O pais conta com 220 milhões de celulares inteligentes ativos, de acordo com a 29ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP). Isso representa mais de um smartphone por habitante.

Segundo os pesquisadores, esse número deve se estabilizar e a tendência é que os usuários comecem a trocar seus smartphones por aparelhos mais modernos. Mesmo com a estabilidade, é esperado que em dois anos o uso de smartphones supere o de computadores em atividades como lazer, informação e principalmente compras online.

Mobile Commerce

Mobile commerce procurado pelo consumidor

A importância do mobile commerce (compras feitas via smartphone) já são sentidas globalmente, o mobile commerce representa 58,9% das vendas digitais (somando USD 1,357 trilhões), sendo que esse número é puxado para cima principalmente pelo mercado do Extremo Oriente, segundo os dados da eMarketer de 2017. E acompanhando a tendência global, o Brasil já começa a ver um crescimento acentuado do mobile commerce.

Esse é o resultado recente apresentado pela pesquisa Global Consumer Insights Survey 2018, da PwC. Segundo eles, enquanto as compras em lojas físicas apresentaram um crescimento de 2% de 2017 para 2018 (de 55% para 57%), as compras em mobile commerce cresceram de 1% em 2017 para 10% em 2018.

Ainda que 10% pareça um número pequeno, o mobile commerce obteve o crescimento de 9% em anos de crise econômica no Brasil. Esse aumento é muito superior ao crescimento visto nas compras em PC ou lojas físicas na época de expansão plena desses dois canais.

Segundo Hercules Maimone, sócio da PwC, a cultura de consumo do brasileiro seguiu o mesmo caminho do mercado chinês e boa parte da população pulou diretamente do consumo na loja física para o mobile commerce, sem passar pelas compras em computador de mesa ou tablet. Esse salto deve-se ao período de aquecimento econômico da população nos países emergentes.

Leia também: Millennials e o Impacto Social através do Varejo

Mobile Commerce e os E-commerces

Os motivos pelos quais o consumidor procura o mobile commerce são variantes, mas destaca-se a praticidade: se no PC ou notebook qualquer um pode comprar dentro de casa, no mobile commerce a compra é feita de qualquer lugar com acesso a internet.

Mas é necessário um grande cuidado por parte dos e-commerces, a loja deve ser mobile friendly, adaptada ao acesso por smartphones e pronta para receber visitantes dos mais diversos dispositivos e velocidades de navegação, já que em muitos lugares do Brasil a conexão ainda é precária e lenta.

Também é importante prestar atenção ao atendimento da empresa, se sua loja é adaptada ao mobile commerce é importante manter canais de comunicação como messenger ou WhatsApp, estando presentes em diversas ferramentas mobile, o famoso omnichannel.

mobile commerce atendimento mobile

Uma loja Mobile Commerce deve também contar com atendimento mobile.

Tendência do Mobile Commerce

A migração do consumidor ao mobile commerce é um movimento forte e os varejistas que ignorarem isso vão perder vendas e market share. Essa é uma tendência do consumidor buscando uma nova experiência de compra com mais comodidade para o seu dia-a-dia e adaptado ao smartphone, a plataforma mais pessoal de navegação possível.

Com esse movimento, os varejistas devem rapidamente se adaptar, seja desenvolvendo novos sites totalmente mobile ou mesmo aplicativos para smartphone que podem substituir uma loja e aproximar-se do mobile commerce. Fato é que, se o smartphone já foi uma segunda tela na vida das pessoas, hoje essa é a primeira tela de uso e será a primeira tela de compra, não há mais escapatória para as empresas.