Como o consumo consciente influencia o mundo da moda?

Tempo de leitura: 7 minutos.


Juntamente com a indústria da beleza, a moda sempre foi um parâmetro na padronização de estilos de vida, especialmente das mulheres.

Quando uma nova coleção de moda é lançada, as tendências anteriormente apresentadas se tornam ultrapassadas. Sendo assim, a busca por estar dentre os parâmetros estabelecidos, resultam em um consumo inconsciente e excessivo.

Há algum tempo a moda vem sendo apontada como pauta para discussões sociais e ambientais. A desconstrução do consumo exagerado e os padrões de beleza estabelecidos pela sociedade influenciaram muito nesta questão, assim como a procura por produtos e empresas que tenham uma responsabilidade socioambiental ativa.

Veja também: eBook grátis – Como implementar a responsabilidade social nas empresas.

INDÚSTRIA TÊXTIL

A indústria têxtil é uma das que mais crescem no mundo. Para extrair o poliéster – tecido responsável por manter a durabilidade, retenção de cor e resistência a rugosidades – são necessários 70 milhões de barris de petróleo por ano, além de ser um material que leva cerca de 200 anos para a sua composição. O algodão é uma fibra natural, mas para a sua rápida cultivação é necessário a utilização de substâncias tóxicas, inseticidas e pesticidas que atingem a água e o solo. Já a viscose, ocasiona um desmatamento de 70 milhões de árvores por ano. Sendo assim, a indústria têxtil em produção inicial pode impactar negativamente no meio ambiente, por isso é cada dia mais importante repensar a cadeia de produção.

moda sustentável

Foto: Pinterest

REPENSANDO A PRODUÇÃO

Alguns anos atrás, as marcas produziam apenas quatro coleções por ano, mas atualmente a moda vem adotando um movimento chamado fast fashion, sendo bastante forte na Espanha e contando com diversas marcas da indústria. Este movimento consiste em adotar novos modelos o tempo todo e retirar das araras o que
não vende, porém é um movimento bastante criticado por alguns especialistas e consumidores.

Desde então, algumas marcas começaram a repensar o funcionamento de sua cadeia de produção e adotaram medidas que garantem a venda e diminuem os danos ao meio ambiente. A exemplo temos à Farm e Levi’s que apresentam ao consumidor um projeto, do qual o seu objetivo é instruir e repensar o destino das peças que não serão mais usadas; essa parceria feita com Re-Roupa, permite aos envolvidos recriar novas roupas a partir de materiais que seriam descartados – fins de rolo de tecido, peça com defeitos, retalhos, entre outros. Além disso, os participantes do projeto também tem a oportunidade de aprender a transformar os resíduos das próprias roupas.

moda consciente

Foto: Pinterest

SLOW FASHION

O Slow Fashion é um movimento que surgiu para dar maior consciência ecológica aos consumidores, sendo uma alternativa sustentável à moda globalizada. Tem como objetivo valorizar o modelo de produção, processos e cultura local. Oposto ao fast fashion, o slow fashion assume uma postura humanizada da moda e o seu consumo, criando confecções que não agridem o ambiente e não geram resíduos tóxicos, além de ter uma vida útil prolongada.

 

moda sustentável

Fotp: Pinterest

Grandes empresas estão se reinventando e os novos empreendimentos já surgem com este ideal. Seus fornecedores e todos os envolvidos desde a produção até o consumidor final, assumem esse compromisso. A procura por itens reciclados e materiais que possam minimizar os impactos ambientais são bastante procurados.

O design dos itens passaram a ter uma configuração inteligente para que possam ser repassados ou confeccionados novamente.

CONSUMO CONSCIENTE

Além das questões ambientais, outros assuntos são discutidos e repensados, com isso, muitas causas começaram a ganhar maior visibilidade e padrões são desconstruídos diariamente. Desta forma, movimentos sociais começaram a questionar o posicionamento de grandes marcas frente à essas questões, cobrando atitudes mais responsáveis.

Protótipo dos quais muitas pessoas, principalmente as mulheres, não se sentiam representadas foram desconstruídos. A moda anteriormente direcionada para os padrões de beleza de modelos magras, agora está se adaptando aos padrões reais, como podemos notar o crescimento da moda Plus Size ao seu molde de estilo. Não somente as mulheres, os homens também não precisam se transformar para encaixar
nestas regras. Estima-se que este mercado tende a ter um crescimento promissor; em 2018 a moda Plus Size cresceu 8%, é esperado um progresso de 20% até 2020 no Brasil.

7 REGRAS DE MODA PARA QUEBRAR AGORA MESMO

A publicidade também teve uma adaptação neste setor, visto que muitas pessoas não se sentiam representadas com as propagandas veiculadas. A procura por modelos ‘’reais’’ aumentaram e a busca por transparência levaram as empresas a assumir uma comunicação mais próxima do dia a dia das pessoas. O consumo consciente impactou a forma como o mundo da moda se posiciona, portanto, não são mais as tendências lançadas que caracterizam os consumidores, mas os consumidores que caracterizam uma tendência. Cada vez mais, os fashionistas percebem as alterações em posicionamentos sociais, e a partir deste princípio lançam as suas coleções.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *